Curso de Suporte Básico de Vida

A Equipa médica e de Enfermagem da SCMM realizou no passado mês de Janeiro de 2017 o curso de Suporte Básico de Vida com Desfibrilhação Automática Externa certificado pelo INEM. Esta formação reveste-se de extrema importância, uma vez que os procedimentos específicos definidos nas recomendações sobre reanimação, quando devidamente aplicados, aumentam de forma significativa a probabilidade de sobrevivência em caso de paragem cárdio-respiratória (PCR), pelo que a pronta e a correta execução de SBV e DAE são essenciais para reduzir a mortalidade e morbilidade (sequelas) associadas à PCR.

Misericórdia de Mogadouro é exemplo em respostas sociais

A Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro perpetua os valores da solidariedade e do amor ao próximo desde 1559. Provedor há sete anos, João Henriques fala-nos sobre as renovações efetuadas na instituição, as dificuldades da entidade e da sua comunidade e ainda revela os projetos que tem em mente para mais um upgrade.

Os Mogadourenses
A forte crise que se abateu sobre Portugal fez disparar o número de carenciados que depende da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro para sobreviver. A instituição tem demonstrado ser um exemplo de excelência no universo das economias locais, quer pelo cumprimento da sua missão social, quer pela qualidade da assistência que presta aos seus utentes, quer pelas opções de investimento e de manutenção de infraestruturas, quer ainda pelos técnicos que emprega. O nosso entrevistado afirma que os mogadourenses sofreram imenso com o decair da indústria do leite, pois muitos eram aqueles que viviam dessa atividade. “Aqueles que ainda têm a sorte de ter emprego veem-se aflitos para fazer face às despesas, visto que o seu poder de compra diminuiu bastante. A par disto, a comunidade está cada vez mais envelhecida”. João Henriques salienta, ainda, que é necessário olhar para o exterior e interior das próprias instituições. “É preciso olhar para dentro das misericórdias, visto que, por vezes, são mesmo os nossos funcionários a passar dificuldades. Devemos também estar muito atentos à chamada pobreza envergonhada que carece de apoio”.

Há sete anos atrás…

Quando assumiu o cargo de provedor, João Henriques deparou-se, apesar do grande esforço dos seus antecessores, com um casa a necessitar de arrumação, para que fosse possível levar a cabo os propósitos a que se comprometeu. “Há sete anos atrás tinha cerca de noventa funcionários. Hoje, somos duzentos e doze, um aumento de mais de cem por cento. Aumentamos, também, o número de respostas sociais criando mais uma Estrutura Residencial para Pessoas Idosas, uma creche, duas empresas de inserção e uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados”, salientou o empreendedor social. As respostas sociais completam-se desde a infância à terceira idade e dividem-se entre Mogadouro e Bruçó. “No que toca à infância temos duas creches (uma delas familiar), um pré-escolar e um ATL. Direcionado para os idosos temos três Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI), dois Centros de Dia, uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados e o Apoio Domiciliário. Temos ainda duas empresas de inserção (estufa e lavandaria), a Cantina Social e a Loja Sol. Nesta última, recolhemos alimentos, vestuário, brinquedos, entre outras coisas e distribuímos pelas famílias mais carenciadas. Possuímos ainda uma igreja quinhentista que recuperámos na totalidade.”

ERPI São João Batista

A Estrutura Residencial para Pessoas Idosas São João Batista é a joia da coroa desta instituição e foi construída de forma a utilizar as energias renováveis e a oferecer um serviço de elevada qualidade aos utentes. “Foi concebida de raiz, tudo num único piso sem qualquer degrau ou rampa, a pensar nos mais velhos. Parece um condomínio, cada um com o seu espaço, um amplo refeitório similar ao de um hotel, esplanada, snooker, bilhar livre, sauna, banho turco, hidromassagem, piscina, jacuzzi, ginásio, capela e biblioteca. Foi pensado ao milímetro para que os nossos idosos possam gozar de uma vida farta e de qualidade”, explica o nosso entrevistado.

Cantina Social

Esta é a resposta social mais recente da misericórdia, fruto dos tempos muito difíceis que o país tem vindo a atravessar. Está inserida na Rede Nacional de Cantinas Sociais e distribui as refeições à porta das pessoas. João Henriques acrescenta que “fornecemos mais de cem pessoas, com duas refeições diárias. Temos apenas a comparticipação para cem refeições e damos, mais do dobro”.

Parcerias

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia enaltece as mais-valias do trabalho em rede e a relação que a instituição mantém com a Câmara Municipal desde sempre e deseja que assim pudesse ser por todo o país. “A autarquia isentou-nos do pagamento de água, ajuda-nos em tudo o que são candidaturas comunitárias e comparticipa financeiramente parte dos projetos aprovados, portanto, nesse aspeto, temos o privilégio de ter esta parceria há muitos anos, independentemente de quem esteja na frente dos seus destinos”.

Dificuldades

Com uma gestão cuidadosa e rigorosa, assente na rentabilização e otimização de todas as valências, tem sido possível fazer da Misericórdia de Mogadouro um exemplo, quer pela quantidade de pessoas a que presta serviços (cerca de 650), quer pelos funcionários que tem (212), quer pelas suas valências e, sobretudo, pela qualidade dos seus serviços. Porém, o provedor alerta para a injustiça na distribuição das comparticipações. “As comparticipações do Estado ajudam as IPSS com acordos, mas o facto de serem todos iguais, faz com que essa distribuição não seja equitativa. Tomemos como exemplo o Apoio Domiciliário: Mogadouro é um concelho com uma extensa área geográfica, é sete vezes e meia maior que o concelho de Lisboa, onde as nossas carrinhas percorrem em cada circuito cerca de cem quilómetros, para distribuir as refeições. Isto multiplicado por dois, visto que entregamos duas vezes por dia. Ora, outra IPSS cuja área de intervenção seja menor recebe tanto como nós e tem muito menos custos. E ainda temos de considerar todas as outras deslocações para efetuar com qualidade este serviço (higiene pessoal, higiene habitacional, enfermagem, fisioterapia, cabeleireira, animação social, psicologia, etc.” Para futuro, o Provedor pensa que na área das demências a Misericórdia de Mogadouro tem um caminho a percorrer. Para João Henriques, a tendência do país é para melhorar e aconselha a ter esperança no futuro. “Toda a gente tem futuro, mesmo aqueles que pensam que só têm passado e presente. Este futuro pode ser um dia, uma semana, um mês ou até vinte ou mais anos. Acredito que o panorama nacional e internacional vai melhorar. Enquanto precisarem da nossa instituição, aqui estaremos de portas abertas para vos receber, oferecendo serviços de alta qualidade”.

in Pais Positivo (suplemento do semanário Sol), http://paispositivo.comportugal.com/compra_panspositivo86_17372

Formação Interna 2015

Vivemos numa sociedade cada vez mais exigente, em que o nosso tempo é caracterizado por um acelerado processo de transformações e de mudanças, algumas com profundas incidências sobre a existência e sobre o futuro da pessoa e das sociedades em contexto social e de trabalho.

Sendo a mudança fundamental para a interpretação do mundo em que vivemos, a Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro, elaborou um Plano Anual de Formação interna referente ao ano de 2015, onde permite a cada colaborador(a) actualização e aperfeiçoamento permanente dos conhecimentos e aprendizagem em determinadas áreas específicas, em contexto de trabalho.

Estão a ser ministrados, desde Janeiro do corrente ano, alguns dos módulos, que os colaboradores referiram como necessidade formativa através de um inquérito organizado e aplicado no ano que findou.

Os módulos que estão a decorrer actualmente, de forma dinâmica, são:

– Atendimento ao Público;

– Demências: Alzheimer;

– Cuidados Pessoais e Imagem;

– Risco de Quedas na 3.ª Idade;

– Posicionamentos, mobilidade e transferência de idosos.

Deste modo, a instituição permite que os seus colaboradores atualizem os seus conhecimentos, para melhorar as suas competências no desenvolvimento do seu trabalho diário. A capacitação de todos os profissionais é uma mais valia na construção de um processo de mudança constante nas áreas das ciências sociais e do comportamento humano.

 

Formação de Ativos

Os cursos de formação dirigidos a ativos das empresas, destinam-se a todos aqueles que necessitem de ter formação, desde funcionários a administradores de instituições e empresas. Este tipo de formação procura aperfeiçoar a qualidade do trabalho produzido, através da melhoria das competências e consequente aumento competitivo das empresas.

Neste âmbito e de acordo com o Plano de Formação da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro, encontram-se programados diversos cursos de formação, em áreas como:

– Informática;

– Serviços de apoio a crianças e idosos;

– Construção e reparação de veículos;

– Trabalho social e orientação;

– Hotelaria e restauração;

– Programas base.

Enquadramento

A Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro (SCMM), decidiu investir na formação dos seus funcionários, pois sentiu necessidade de ter funcionários bem preparados para enfrentar os desafios propostos, bem como valorizar a imagem dos mesmos e da própria instituição, através das atitudes comunicacionais e efeitos comportamentais.

Assim, as acções de Formação que têm vindo a decorrer na SCMM, têm como principal objectivo dotar todos os seus funcionários de competências técnicas e pessoais que lhes permitam um maior e melhor desempenho a nível profissional.

Desde o início do ano, até ao momento, já decorreram acções de formação que contribuíram, quer para o aperfeiçoamento profissional dos funcionários, quer para o desenvolvimento pessoal e social.

Módulos:

– Linguagem e Comunicação;

– Cidadania;

– Matemática para a vida;

– TIC;

– Higiene e Segurança Alimentar;

– HACCP;

– Saúde da Pessoa Idosa – Cuidados Básicos;

– Prevenção e Primeiros Socorros – Geriatria;

– Saúde e Socorrismo;

– Animação para a Terceira Idade;

– Acompanhamento de Crianças – Técnicas de Animação;

– Sistemas de Transmissão para Mecânicos de Serviços Rápidos;

– Processador de Texto;

– Folha de Cálculo;

– Internet.