Misericórdia de Mogadouro é exemplo em respostas sociais

A Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro perpetua os valores da solidariedade e do amor ao próximo desde 1559. Provedor há sete anos, João Henriques fala-nos sobre as renovações efetuadas na instituição, as dificuldades da entidade e da sua comunidade e ainda revela os projetos que tem em mente para mais um upgrade.

Os Mogadourenses
A forte crise que se abateu sobre Portugal fez disparar o número de carenciados que depende da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro para sobreviver. A instituição tem demonstrado ser um exemplo de excelência no universo das economias locais, quer pelo cumprimento da sua missão social, quer pela qualidade da assistência que presta aos seus utentes, quer pelas opções de investimento e de manutenção de infraestruturas, quer ainda pelos técnicos que emprega. O nosso entrevistado afirma que os mogadourenses sofreram imenso com o decair da indústria do leite, pois muitos eram aqueles que viviam dessa atividade. “Aqueles que ainda têm a sorte de ter emprego veem-se aflitos para fazer face às despesas, visto que o seu poder de compra diminuiu bastante. A par disto, a comunidade está cada vez mais envelhecida”. João Henriques salienta, ainda, que é necessário olhar para o exterior e interior das próprias instituições. “É preciso olhar para dentro das misericórdias, visto que, por vezes, são mesmo os nossos funcionários a passar dificuldades. Devemos também estar muito atentos à chamada pobreza envergonhada que carece de apoio”.

Há sete anos atrás…

Quando assumiu o cargo de provedor, João Henriques deparou-se, apesar do grande esforço dos seus antecessores, com um casa a necessitar de arrumação, para que fosse possível levar a cabo os propósitos a que se comprometeu. “Há sete anos atrás tinha cerca de noventa funcionários. Hoje, somos duzentos e doze, um aumento de mais de cem por cento. Aumentamos, também, o número de respostas sociais criando mais uma Estrutura Residencial para Pessoas Idosas, uma creche, duas empresas de inserção e uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados”, salientou o empreendedor social. As respostas sociais completam-se desde a infância à terceira idade e dividem-se entre Mogadouro e Bruçó. “No que toca à infância temos duas creches (uma delas familiar), um pré-escolar e um ATL. Direcionado para os idosos temos três Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI), dois Centros de Dia, uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados e o Apoio Domiciliário. Temos ainda duas empresas de inserção (estufa e lavandaria), a Cantina Social e a Loja Sol. Nesta última, recolhemos alimentos, vestuário, brinquedos, entre outras coisas e distribuímos pelas famílias mais carenciadas. Possuímos ainda uma igreja quinhentista que recuperámos na totalidade.”

ERPI São João Batista

A Estrutura Residencial para Pessoas Idosas São João Batista é a joia da coroa desta instituição e foi construída de forma a utilizar as energias renováveis e a oferecer um serviço de elevada qualidade aos utentes. “Foi concebida de raiz, tudo num único piso sem qualquer degrau ou rampa, a pensar nos mais velhos. Parece um condomínio, cada um com o seu espaço, um amplo refeitório similar ao de um hotel, esplanada, snooker, bilhar livre, sauna, banho turco, hidromassagem, piscina, jacuzzi, ginásio, capela e biblioteca. Foi pensado ao milímetro para que os nossos idosos possam gozar de uma vida farta e de qualidade”, explica o nosso entrevistado.

Cantina Social

Esta é a resposta social mais recente da misericórdia, fruto dos tempos muito difíceis que o país tem vindo a atravessar. Está inserida na Rede Nacional de Cantinas Sociais e distribui as refeições à porta das pessoas. João Henriques acrescenta que “fornecemos mais de cem pessoas, com duas refeições diárias. Temos apenas a comparticipação para cem refeições e damos, mais do dobro”.

Parcerias

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia enaltece as mais-valias do trabalho em rede e a relação que a instituição mantém com a Câmara Municipal desde sempre e deseja que assim pudesse ser por todo o país. “A autarquia isentou-nos do pagamento de água, ajuda-nos em tudo o que são candidaturas comunitárias e comparticipa financeiramente parte dos projetos aprovados, portanto, nesse aspeto, temos o privilégio de ter esta parceria há muitos anos, independentemente de quem esteja na frente dos seus destinos”.

Dificuldades

Com uma gestão cuidadosa e rigorosa, assente na rentabilização e otimização de todas as valências, tem sido possível fazer da Misericórdia de Mogadouro um exemplo, quer pela quantidade de pessoas a que presta serviços (cerca de 650), quer pelos funcionários que tem (212), quer pelas suas valências e, sobretudo, pela qualidade dos seus serviços. Porém, o provedor alerta para a injustiça na distribuição das comparticipações. “As comparticipações do Estado ajudam as IPSS com acordos, mas o facto de serem todos iguais, faz com que essa distribuição não seja equitativa. Tomemos como exemplo o Apoio Domiciliário: Mogadouro é um concelho com uma extensa área geográfica, é sete vezes e meia maior que o concelho de Lisboa, onde as nossas carrinhas percorrem em cada circuito cerca de cem quilómetros, para distribuir as refeições. Isto multiplicado por dois, visto que entregamos duas vezes por dia. Ora, outra IPSS cuja área de intervenção seja menor recebe tanto como nós e tem muito menos custos. E ainda temos de considerar todas as outras deslocações para efetuar com qualidade este serviço (higiene pessoal, higiene habitacional, enfermagem, fisioterapia, cabeleireira, animação social, psicologia, etc.” Para futuro, o Provedor pensa que na área das demências a Misericórdia de Mogadouro tem um caminho a percorrer. Para João Henriques, a tendência do país é para melhorar e aconselha a ter esperança no futuro. “Toda a gente tem futuro, mesmo aqueles que pensam que só têm passado e presente. Este futuro pode ser um dia, uma semana, um mês ou até vinte ou mais anos. Acredito que o panorama nacional e internacional vai melhorar. Enquanto precisarem da nossa instituição, aqui estaremos de portas abertas para vos receber, oferecendo serviços de alta qualidade”.

in Pais Positivo (suplemento do semanário Sol), http://paispositivo.comportugal.com/compra_panspositivo86_17372

Comemoração do 6º aniversário da BMTC

 

No passado dia 10 de Setembro o CATL foi convidado pela BMTC a participar no seu 6º aniversário. Entre as várias atividades programadas, como leitura de um conto e desenho sobre o aniversário da biblioteca, as crianças puderam ainda, confeccionar bolinhos de coco, que foram distribuidos para cada um deles, no final das atividades e após cantarem os Parabéns à BMTC.

UDCPPM

UDCPPM

As equipas da UDCP-PM têm procurado dar resposta às necessidades físicas, psicológicas, sociais e espirituais destes doentes e das suas famílias, durante todo o processo de doença, prolongando-se pelo luto.

Procuramos prevenir e/ou intervir no sofrimento das pessoas com doença grave incurável e progressiva.

 

“Os cuidados paliativos são seguramente um assunto negligenciado na maioria dos países.”
Agis Tsourus (Org. Mundial Saúde-2005)

 

 

A Unidade Domiciliária de Cuidados Paliativos do Planalto Mirandês, contribuiu para a melhoria da qualidade de vida dos Doentes e das Famílias com doenças crônicas progressivas e incuráveis, com impacto na comunidade local.

A UDCP-PM continua a prestar cuidados humanizados e individualizados, a todos aqueles que sofrem de doença avançada, progressiva e incurável, com o objetivo de lhe proporcionar qualidade de vida e conforto na fase terminal da sua vida. As equipas da UDCP-PM mantêm a sua disponibilidade 24 horas por dia e 7 dias por semana.

Atualmente somos solicitados pela população em geral, através do centro de saúde de Mogadouro, junto da unidade de cuidados continuados de Mogadouro, gabinete da saúde da Câmara municipal de Miranda do Douro, centro de saúde de Vimioso e pela comunidade em geral.

É importante salientar que alguns utentes necessitam de três ou mais visitas diárias, estando este serviço a ser assegurado de forma totalmente gratuita.

 

Dados Recolhidos : Dezembro de 2012

Durantes estes 3 anos foram admitidos na udcp-pm  194 doentes e suas famílias :

  • Mogadouro – 95 doentes;
  • Miranda – 48 doentes;
  • Vimioso – 51 doentes.

 

Tem sido possível acompanhar estes doentes no domicilio no seu percurso natural, ajudando-os a ter uma  morte digna junto dos seus entes mais queridos. A maioria destes doentes morreram no domicilio com a equipa a seu lado .

A média de dias na equipa, varia muito dependendo da fase em que são referenciados à UDCP-PM. A média dos 3 anos é de 120 dias , sendo em Mogadouro de 104 dias; em Miranda 115 dias; e em Vimioso 142 dias.

 

A média diária é de 9 (8,7) domicílios por dia sendo em:

  • Mogadouro 3 domicílios de enfermagem e 1 dom. médico /dia
  • Miranda  1 domicílios de enfermagem  e 0,3 dom.  médicos /dia
  • Vimioso 2 domicílios  de enfermagem e 0,7  dom. médicos /dia

Dados Estatísticos e Caracterização da UCCI

UCCI

A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados é constituída por um conjunto de unidades de saúde que prestam cuidados continuados, através de uma equipa inter e multidisciplinar a pessoas que deles necessitem. Esta tem como objectivo a reabilitação, readaptação e reintegração social. Neste contexto, a nossa unidade tende tanto quanto possível corresponder à filosofia desta tipologia de serviços, os quais dão resposta às necessidades de saúde e sociais.

Os cuidados a prestar baseiam-se num conjunto de intervenções sequenciais de saúde e sociais, decorrentes de um planeamento conjunto que visa a recuperação global do indivíduo, tendo em conta um processo de apoio social e terapêutico proactivo e contínuo que melhora a qualidade de vida das pessoas. Esta resposta, constitui uma mais-valia para o concelho, uma vez que prestamos serviços de proximidade com qualidade e suporte adequados.

A maioria dos doentes que recebemos apresentam um mau estado geral, com elevada limitação funcional, sofrem de síndrome de imobilização, acidente vascular cerebral, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, insuficiência respiratória, insuficiência renal, fractura de colo do fémur, doentes oncológicos e úlceras de pressão múltiplas.

A Unidade está  em funcionamento desde do dia 19 de Maio de 2008 e dispõe de 24 camas. Tem como histórico o registo de 106 doentes, estando 24 em regime de internamento. Dos 82 doentes aqui internados anteriormente 33 tiveram alta, 16 tiveram alta por agudização 23 faleceram e 10 foram transferidos (pedido de aproximação à área de residência), sendo a média de internamento de 90 dias. Mensalmente apresentamos uma taxa de internamento perto dos 100%. Este número torna-se tanto mais importante quando sabemos que os utentes que acolhemos são totalmente dependentes para a satisfação de todas as suas necessidades básicas, 24 horas por dia, sete dias por semana. Porém, apesar de toda esta exigência diária, a Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro, orgulha-se de ter uma Unidade que presta cuidados de saúde e sociais de excelência. Esta realidade não é por nós assumida de forma egocêntrica, uma vez que já foi formalmente e objectivamente comprovada através de entidades externas credíveis (auditorias).

Estando esta unidade vocacionada para a promoção do bem-estar e qualidade de vida dos doentes e suas famílias, é imprescindível que a mesma esteja dotada dos melhores recursos, que concedam à prestação dos cuidados um carácter personalizado e humanizante. Perante esta realidade os recursos humanos, físicos e materiais que actualmente dispomos são determinantes e indispensáveis, para que continuemos a garantir um melhor conforto e qualidade de vida aos utilizadores do nosso serviço.

Com o supracitado se enaltece a existência desta Unidade e se justifique a importância da equipa e individualmente de cada elemento dado a natureza do seu contributo pessoal e profissional.

A nossa equipa é  constituída por diferentes profissionais que diariamente respondem às exigências da RNCCI. A este nível achamos pertinente dar a conhecer as orientações de preenchimento mínimo obrigatório das unidades de internamento da Rede.

Admissão Internamento

(avaliação mensal e sempre que necessário)

Alta
Avaliação biopsicossocial Avaliação biopsicossocial Avaliação biopsicossocial
Avaliação médica Avaliação médica Avaliação médica
Avaliação de enfermagem Avaliação de enfermagem Avaliação de enfermagem
Avaliação social Avaliação social Avaliação social
Outras avaliações Outras avaliações Outras avaliações
Avaliação risco de úlceras Avaliação risco de úlceras  
Avaliação de UP Avaliação de UP Avaliação de UP
Avaliação risco de diabetes Avaliação de diabetes Avaliação risco de diabetes
Avaliação de diabetes Avaliação da dor Avaliação da dor
Avaliação da dor Avaliação Infecção Avaliação Infecção
Avaliação Infecção Registo de pensos e apósitos Registo de pensos e apósitos
  Registo de exames auxiliares de diagnóstico Registo de exames auxiliares de diagnóstico
  Registo de fármacos Registo de fármacos
  Reacções adversas medicamentosas  
  Agudizações  
    Nota de alta

 

 

Esta metodologia corresponde aos indicadores, que a rede utiliza como instrumento de monitorização das unidades prestadoras de cuidados. Salientamos, que até ao momento em todas as auditorias realizadas pela Equipa Coordenadora Local temos correspondido às expectativas.

Avaliação da Qualidade: Prestação de Cuidados de Saúde e Reabilitação

Avaliação da Qualidade: Prestação de Cuidados de Saúde e Reabilitação

Avaliação da Qualidade das Unidades de Internamento da Rede de Cuidados Continuados Integrados

O presente documento resume os resultados da visita de avaliação da qualidade realizada à UCCI de Mogadouro, assim como os valores médios de todas as Unidade de Cuidados Continuados visitadas, o valor máximo e o valor mínimo obtido em cada grupo de critérios.

Prestação de Cuidados de Saúde e Reabilitação

 

UCCI

A Unidade de Cuidados Continuados Integrados, destinam-se a apoiar aqueles que não reúnem condições para serem cuidados no domicílio.