Envelhecimento ativo

Nos dias atuais, existe uma preocupação crescente relativamente ao envelhecimento, deste modo, são muitas as práticas neste âmbito junto da população idosa, a fim de contribuir para a manutenção das suas capacidades, mantendo o idoso ativo após a entrada na reforma. Estas práticas têm ainda como objetivo atenuar sentimentos de tristeza e solidão, sendo que o envelhecimento ativo deve permitir ao idoso, apesar das suas vulnerabilidades, permanecer autónomo, produtivo e um membro ativo na sociedade.

O Serviço de Apoio Domiciliário (SAD), procura perceber os aspetos positivos desta fase do envelhecimento, de modo a proporcionar aos nossos idosos um compromisso ativo com a vida. Neste sentido, procuramos ir ao encontro das necessidades, ambições e capacidades dos nossos utentes, de modo a incentivá-los a participarem na sociedade, e consequentemente, a manterem-se ativos.

O facto de muitos dos nossos utentes do SAD serem pessoas idosas que vivem sós, leva-nos a criar práticas participativas e integradoras, tais como atividades de estimulação cognitiva, sensorial e auditiva, atividade física, atividades socioculturais, comemoração de dias festivos, passeios ao exterior, jogos tradicionais, entre outros.

O nosso objetivo passa assim por proporcionar um envelhecimento ativo e saudável aos nossos idosos, incentivando e proporcionando a possibilidade de poderem participar na vida social, sem terem de sair do seu meio habitual de vida.

Atividade: “Chá com Histórias” – SAD Mogadouro

Como estamos na época das vindimas, as sessões de leitura no Serviço de Apoio Domiciliário foram ao encontro desta temática.

Foi do agrado dos utentes a lenda do vinho, os provérbios e as adivinhas sobre as vindimas.

Serviço de Apoio Domiciliário: uma segunda família

O Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) é uma resposta social que consiste na prestação de cuidados e serviços a indivíduos que se encontrem nos seus domicílios, tendo como objetivo promover a qualidade de vida dos utentes.

É imprescindível que para permanecer no domicílio sejam assegurados os cuidados necessários, sendo que muitas vezes a rede de apoio do utente não os consegue assegurar. Assim o SAD é um serviço que possibilita o alívio da família na realização de algumas tarefas, assegurando a satisfação das necessidades básicas e atividades da vida diária de pessoas que muitas vezes não dispõem de apoio familiar para o efeito.

A família continua a ser o principal pilar no cuidado direto aos idosos, todavia, é necessário ter em conta que mesmo a família que coabita com o idoso, muitas vezes não consegue suportar sozinha a prestação dos cuidados. Deste modo, o SAD pretende sobretudo alivar a família na tarefa do cuidar, sendo que esta relação de proximidade com o idoso, leva a que o SAD seja assumido pelos nossos utentes como uma segunda família.

O impacto da intervenção do SAD é reconhecido pelos familiares e utentes, visto que de acordo com a sua situação de perda de autonomia e em casos de ausência ou insuficiência de retaguarda familiar, necessitam do apoio domiciliário por um período de tempo transitório ou continuado.

Todas as equipas de trabalho encontram-se preparadas para promover e manter a qualidade de vida dos idosos, permitindo muitas vezes que os familiares consigam conciliar as tarefas do cuidar com as suas obrigações e necessidades profissionais e pessoais.

O SAD é assim um serviço valorizado pela população idosa, visto que se encontra presente 365 dias por ano, assegurando os mais diversos serviços, e mantendo uma relação de proximidade e presença diária com os nossos utentes.

A importância do apoio domiciliário para quem opta por permanecer no domicílio.

A ideia de viver no conforto do próprio domicílio é algo com que todos os indivíduos ambicionam, sendo que à medida que vamos envelhecendo, esta ideia torna-se cada vez mais relevante. Envelhecer de forma feliz é algo importante e essencial, sendo que este envelhecimento deve ser seguro, ativo e confortável.

Envelhecer no conforto do lar permite que os idosos mantenham o seu quotidiano, porém é necessário que o idoso mantenha a satisfação das suas necessidades. Neste sentido, o Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) assume-se como uma resposta social capaz de garantir serviços e cuidados, que facilitem a continuidade do idoso na sua residência.

O SAD constitui-se assim uma resposta social, a qual permite que os idosos possam permanecer no seu domicílio, e, por conseguinte, no seu ambiente familiar. O SAD é um serviço que permite o reforço da autonomia, de modo a proporcionar ao idoso a permanência no lar, assegurando condições de dignidade e de segurança. Este tipo de serviço permite assim retardar ou até mesmo impedir a institucionalização do idoso, permitindo-lhe que permanece no seu meio envolvente, contribuindo para a manutenção das suas redes de relacionamento, nomeadamente com a família, amigos, vizinhos…

Os cuidados domiciliários são vistos como uma alternativa ao internamento, indo de encontro às necessidades dos idosos, a fim de que os mesmos possam manter a capacidade de cuidarem de si próprios, bem como maximizando os níveis de independência, junto dos que lhe são mais próximos.

Esta prestação de cuidados personalizados e individualizados permite assegurar de forma temporária ou permanente a satisfação das necessidades básicas diárias dos idosos, de modo que o idoso mantenha a privacidade e conforto do seu lar, juntamente dos seus pertences, quotidianos, vizinhos e familiares.

Ser Cuidador

Nas últimas décadas as famílias têm sofrido alterações na sua constituição, sendo que numa realidade passada, as famílias eram consideradas alargadas, no sentido em que eram constituídas pelos avós, filhos, netos, primos, sobrinhos, entre outros, que coabitavam no mesmo espaço. Nos dias de hoje o mesmo não acontece, dado que muitas das vezes o idoso coabita sozinho.

É de referir que as pessoas idosas dão preferência à permanência no seu domicílio, porém, e para tal, é necessário que sejam prestados cuidados de acordo com as suas necessidades. Deste modo, existem dois tipos de prestadores de cuidados, nomeadamente: os cuidadores formais (exemplo: Serviço de Apoio Domiciliário – SAD) e os cuidadores informais (família, vizinhos, ou alguém com quem o idoso ou a

família já têm uma relação preestabelecida).

O facto de nos dias de hoje os idosos não terem as suas famílias por perto (cuidadores informais), e a fim de melhorarem a qualidade de vida em geral, de modo a suprirem as suas necessidades básicas, desenvolvem-se serviços como é o caso do SAD,

o qual consiste na prestação de um conjunto de serviços que contribuem para a manutenção do idoso no seu meio sociofamiliar.

O SAD é assim uma resposta social de apoio formal a pessoas idosas, o qual consiste na prestação de cuidados individualizados e personalizados no domicílio, a indivíduos e famílias quando, por motivo de doença, deficiência, ou outro impedimento,

não possam assegurar temporária ou permanentemente a satisfação das suas necessidades básicas e atividades da sua vida diária. Sendo que permite a continuidade das pessoas no seu domicílio e comunidade, evitando ou atrasando a institucionalização.

Neste âmbito formal, são assegurados cuidados ao nível de higiene pessoal e habitacional, fornecimento de refeições, tratamento de roupas, acompanhamento ao médico, animação, enfermagem, teleassistência, aquisição de bens e géneros alimentares, pagamento de serviços, cuidados de imagem, e outros, de acordo com as necessidades manifestadas. Para além dos cuidados anteriormente mencionados, importa mencionar que este também é um serviço de vigilância, de companhia e de proximidade durante os 7 dias de semana.

O SAD é assim uma resposta de ajuda formal que permite ultrapassar as necessidades manifestadas pelo idoso, o que lhe permite permanecer na sua rede de proximidade, e, por conseguinte, assegurar a manutenção de alguma autonomia.

Teleassistência aos Utentes – SAD Mogadouro

Com o Serviço de Teleassistência, os utentes do serviço de apoio domiciliário sentem-se mais seguros.

Atividade: “Ginasticamente” – SAD Mogadouro

Ao longo da semana foram realizadas atividades de estimação cognitiva com os utentes de SAD, nomeadamente atividades nos domínios da orientação no tempo e espaço, da memória, da atenção e das funções executivas.

Atividade: “Movimento Sénior” – SAD Mogadouro

Algumas das atividades de exercício físico realizadas com os utentes de SAD, com o principal objetivo de desenvolver a força muscular.

Atividade: “Ronda das Aldeias” – SAD Mogadouro

Foi dia de ir com os utentes da ERPI SJB visitar as suas aldeias, desta vez a S. Martinho e a Penas- Roias.

Realizamos um pequeno passeio pela barragem de Penas-Roias e fomos à capela do Sr. dos Aflitos em S. Martinho.

Algumas das utentes aproveitaram para irem às suas casas onde colheram flores e “Norça” nos seus quintais. Ainda houve oportunidade de apreciar a paisagem, nomeadamente alguns dos seus olivais e amendoais. Ao longe ainda avistamos o Castelo de Penas- Roias.

Atividade: “Ginasticamente” – SAD Mogadouro

No sentido de estimular as capacidades cognitivas, intelectuais e sensoriais dos utentes do Serviço de Apoio Domiciliário, foram realizadas atividades de estimulação sensorial e de estimulação cognitiva, nomeadamente exercícios de cálculo e de escrita.

Atividade: “Ginasticamente” – SAD Mogadouro

Com os utentes do Serviço de Apoio Domiciliário, foram realizadas atividades de estimulação cognitiva, nomeadamente jogos de memória e de atenção.